Carta ao Redator Freelancer | SOS Wordpress
M

© 2021 SOS Wordpress

Carta ao Redator Freelancer

Aqui na empresa, muitas vezes temos que contratar profissionais freelancers desta área para atender às solicitações de nossos clientes, principalmente quando o nicho de sua atuação pede criação de conteúdos mais específicos: direito previdenciário é um exemplo; beleza trans, outro.

Então criamos o Mural do Freela no nosso site.

Um espaço para que os profissionais que normalmente procuramos para estes trabalhos (designers gráficos, redatores e programadores) possam se cadastrar, criar uma ficha com seu trabalho e divulgar GRATUITAMENTE.

Ou seja, unimos o útil (para nós) ao agradável (para o colega freelancer). Formamos um banco de profissionais, os quais poderemos precisar futuramente, e o colega ainda divulga seu trabalho para quem tiver interesse, mesmo que não seja nosso cliente.

Imagine um painel onde o colega pode colocar detalhadamente tudo o que faz: sua área de conhecimento/afinidade, seus contatos, links de portfólios, imagens, trabalhos realizados, tem até espaço para ele por um link de vídeo de apresentação que estiver hospedado em qualquer plataforma: youtube, vimeo, etc.

E sabe o que eu vemos nas fichas criadas pelos profissionais?

“Redator e Revisor Freelancer. Cobro X centavos por palavra. Telefone e email tal.”

Puxa vida. Se o cadastro do redator, que está ali para ser consultado publicamente, é assim, imagine o que pensará o cliente sobre o texto que esse profissional produziria para ele?

É com a intenção de contribuir para o sucesso dos nossos colegas redatores, que criamos esse artigo sobre como oferecer seus serviços a quem procura ou a quem, como no nosso caso, costuma contratar profissionais freelancers.

Vamos lá?

 

1 – Detalhes Importam

 

Tem redator que só escreve para Blog. E escreve muito bem, diga-se de passagem. Tem uma linguagem mais informal. Consegue criar uma aproximação com o leitor, transformando o texto num verdadeiro bate-papo.

Mas tem redator que já prefere escrever resenha literária, crítica de filmes, textos mais formais e, nessa linha, o faz muito bem. Demonstra um verdadeiro conhecimento da arte.

Então, mostre ao cliente a sua linguagem. Diga qual estilo de escrita você prefere usar. Portfólio é exatamente para isso: mostrar ao cliente o seu estilo!

Ah, mas você é um Ghost Writer! Sendo assim, não pode mostrar o conteúdo que escreve, pois os direitos não são seus, certo?

Ok. Crie textos próprios para demonstração e publique no seu blog. Serve, até mesmo, uma pasta no Google Drive para esta finalidade. Desde que tenha o que mostrar ao potencial cliente.

 

2 – Forma de Trabalho

 

Demonstre total profissionalismo ao cliente simplesmente apresentando um modus operandi. Mas para isso você precisa padronizar a sua forma de trabalho.

Qual é a sua rotina de operações hoje?

  1. Recebimento inicial de percentual contratado.
  2. Recebimento da pauta.
  3. Pesquisa em X dias.
  4. Escrita em Y dias.
  5. Envio em Z dias.
  6. Recebimento do restante contratado.

Você faz contrato? Qual a sua penalidade por não cumprir o prazo?

Numa profissão naturalmente feita para o trabalho home office, você e o cliente, muito provavelmente, não estarão na mesma cidade, e isto,com certeza, é motivo de insegurança para AMBOS: a você por achar que poderá não receber o pagamento e ao cliente por achar que você vai receber e não produzir o trabalho.

Ter um contrato é um diferencial para manter a sua segurança e a do cliente. E divulgar esse diferencial pode lhe trazer mais clientes.

 

3 – Referências Falam por Nós

 

Muitas vezes o Portfólio é a única referência do profissional. No entanto, você pode, e deve, ter referências do seu nome para comprovar sua idoneidade, profissionalismo, fama.

Você tem Referências COMERCIAIS? Gente que pagou por seus serviços e pode lhe recomendar. Onde estão estas avaliações? No Google? No Facebook? No seu site?

Referências são muito importantes.

Ter um texto seu publicado e assinado na web não fala pelo dono do negócio. Já um elogio dele, falando o quanto seu texto repercutiu ou engajou, isso sim grita bem alto a sua capacidade.

 

4 – Texto de Teste

 

Ui. Assunto complicado à frente.

Aqui na empresa, nós não pedimos a ninguém que nos crie textos de teste. É regra nem tocar nesse assunto. Nada mais lógico. Ninguém pede pizza de teste para depois escolher se compra ou não.

Mas não significa que você não possa oferecer!

Assim como muitas empresas oferecem amostras grátis para o cliente experimentar o produto ou serviço, você também pode oferecer um texto de teste, quem sabe poucas palavras, um clipping, etc.

Mas muitas vezes o redator não tem portfólio publicado, não tem referência, etc. E aí? O que dizer ao cliente?

Pense a respeito. Crie suas regras. Seja gentil na sua firmeza e pronto. Só se sente ofendido quem quer.

 

5 – Serviços Extras

Quais Ferramentas você domina, além da escrita?

Dependendo do veículo para o qual escreve, você poderia agregar muito mais valor ao seu trabalho apenas por aprender a usar certas ferramentas.

Por exemplo: Você entende de SEO? Se escreve para BLOGs e Redes Sociais, já passou da hora de aprender um pouco sobre isso e oferecer como extra no seu trabalho.

Hoje tudo está ligado a uma Palavra-chave. E ela deve estar presente, mesmo que semanticamente, no título, primeiro subtítulo, texto, link, resumo, meta-tag, etc.

Quais Tipos de conteúdo você consegue criar?

Conteúdo para web pode ser escrito de diversas formas: Guias (artigos super completos sobre um tema), Infográficos, Checklists, etc. Quais destes você sabe criar?

Você também sabe Design?

Por que não informar isso ao cliente?

Faça saber que você consegue apresentar o conteúdo escrito em forma de infográfico ou que também sabe produzir um ebook completo.

 

6 – Comprometimento com o Sucesso

 

Cada texto que você produz e vende tem um objetivo. E a realização deste objetivo, no marketing, é chamada de conversão.

O seu desafio, então, é pegar o leitor pela mão e conduzi-lo de forma persuasiva, convencendo-o da necessidade de realizar a ação que você programou para ele dentro do seu texto.

Seus textos estão convertendo? Como você sabe?

Acompanhe junto ao cliente os resultados dos seus textos. Isso, numa empresa, é chamado de pós-venda e gera no cliente um sentimento de comprometimento da sua parte. E você consegue fidelizar muito mais.

Nem todo conteúdo é perene (evergreen).

Muitos textos podem se tornar desatualizados com o tempo, seja por uma mudança no comportamento, na política, etc. Acompanhe as publicações do que tem escrito e lucre mais, oferecendo atualização desse conteúdo por um adicional monetário.

Afinal, textos são seus produtos e você pode ganhar na venda e na manutenção deles.

 

7 – Pesquise o Assunto

 

Normalmente quando recrutamos redatores, perguntamos se eles têm afinidade com o conteúdo. Alguns confirmam, outros dizem não ter escrito ainda, mas que podem aprender.

É um fato: se você lê sobre o assunto, pode escrever muito melhor e em menos tempo. Compare: escreva sobre algo que não domina e que sequer leu a respeito, até agora.

Não é que não se possa escrever sobre algo novo. Longe disso. Mas o seu tempo de pesquisa, entendimento, criatividade e assertividade será infinitamente maior. E sua produtividade depende desse tempo.

Procure selecionar temas que lhe são mais fáceis de entender para escrever com profundidade e conhecimento. Na era digital, conteúdo raso ou com falhas de conhecimento podem gerar mais rejeição que engajamento.

 

8 – Formas de Recebimento

 

Como você recebe por seus trabalhos? Não me diga que é naquela poupança ainda!

A questão aqui não é a conta do poupançudo, mas o grau de formalização e profissionalismo que você mostra ao gerar um boleto próprio, ou uma fatura personalizada.

A propósito, você já é formalizado? Isso é fundamental para gerar mais segurança ao cliente quanto à sua contratação. Mas é opcional, claro.

Hoje você pode se registrar como Microempreendedor Individual, ter CNPJ e ainda gerar notas fiscais. E saiba que há empresas que só pagam mediante apresentação de nota fiscal, sem choro nenhum. Isso porque precisam declarar essa saída de caixa.

Mas é lógico, toda formalização gera despesa. Para quem é redator de final de semana, talvez não seja uma opção. Agora se você é redator há mais de 5 anos e nunca pensou sobre isso, talvez precise começar a rever seus conceitos.

Você sabia que pode gerar boletos para recebimentos através de serviços como PagHiper, PagSeguro, Mercado Pago, mesmo em seu nome pessoal (Pessoa Física).

E tem o Pix, né? Facinho de pagar e receber! Eu mesma, se não tiver pix, nem pago. Brincadeira, pago sim.

 

9 – Valor da Palavra

 

Chegou a hora de dizer o seu preço!

Escolha quanto pedir por tudo que tem a oferecer.

Mostre os resultados que você tem gerado aos seus clientes de referência, o valor agregado de seu serviço de forma que o seu potencial cliente consiga entender que você vale o que cobra.

Vemos muitos colegas apenas reproduzindo valores que viram outros cobrarem. Vemos alguns cobrando alto. Outros bem pouco. Não tem piso, nem teto. E isso é ótimo!

Mas, para nós, preço de palavra não é motivo de contratar ou rejeitar. Inclusive já rejeitamos profissionais barateiros e recomendamos profissionais mais caros. Por conta de tudo isso que dissemos acima… na verdade, pela falta de tudo isso que mencionamos aqui.

Muito bom seria apresentar um Menu de opções ao cliente.

  • Texto até 500 palavras.
  • Texto até 1000 palavras.
  • Texto até 1500 palavras.
  • Pacote Plus: Texto com Imagem do Freepik?
  • Aceita adicional de SEO?
  • Palavras-chave acompanham?
  • Serviço exclusivo de publicação no seu WordPress?

E quanto a forma de remuneração, escolha qual a forma melhor atende às suas necessidades e não tenha vergonha de propor:

  • Por Hora;
  • Por Palavra;
  • Por Diária;
  • Por Projeto.

O importante é estar tudo bem negociado e contratado para começar a produzir.

 

E agora?

 

Bom, agora é correr atrás de vender bem o seu peixe, ou nesse caso, o seu texto.

Sim. Vender bem!

Dos textos que produz, você é o vendedor, produtor, recebedor, contador e divulgador.

Se você chegou até aqui, significa que esse texto foi, de alguma forma, proveitoso para você, como esperamos que tenha realmente sido.

E se quiser um espaço para divulgar seus serviços de Redação e Criação de Conteúdo, é simples: faça o seu cadastro como Freelancer e crie sua Ficha de Serviço aqui no Mural de Freela da SOS WordPress.

Mas, oh, prometa que vai deixar a sua Ficha bem detalhada, com tudo o que dissemos até aqui, hein.

Boa sorte!

Anterior

M

SOLICITE UMA COTAÇÃO

Manutenção
Hospedagem
Criação de Site
Criação de Loja Virtual
Criação de EAD
Criação de Delivery

× Available on SundayMondayTuesdayWednesdayThursdayFridaySaturday